terça-feira, 30 de outubro de 2012

Não Foi Acidente

ASSINE A PETIÇÃO: http://naofoiacidente.org/blog/assine-a-peticao/



terça-feira, 22 de novembro de 2011

A Resistência Elétrica por Zergui Eletric

Olá, meus caros leitores.
Em primeira mão eu quero agradecer o grande acesso que estou tendo este ano.


Através da minhas andanças pela internet eu encontrei, por acaso, no youtube o canal do ilustre Zergui, no qual o mesmo publica vídeos inerentes à Eletrotécnica e entre outros assuntos, que são interessantes de serem vistos. 


No ensejo gostaria de publicar um vídeo que eu achei bem didático, que trata-se de um assunto que é o alicerce da Eletroeletrônica.

Para quem quiser conhecer mais de perto o trabalho do Zergui, eu recomendo que acessem o site: 
http://www.zergui.com

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O Triângulo e As Três Potências

Escrevi um artigo sobre potência elétrica e fator de potência. Porém eu escrevi no word e por lá ficou, quem quiser visualizar, peço para que baixe o pdf através do seguinte link:
http://www.4shared.com/document/_A_q7gyJ/O_Tringulo_e_As_Trs_Potncias_r.html

Qualquer problema com o link, me comunique.

Se inscreva para ficar por dentro das atualizações.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Qual caminho seguir?

Um fato corrente no momento é a carência de profissionais no setor industrial. Essa condição vêm de muitos anos, um exemplo dessa falta de mão de obra foi a criação do SENAI na década de 40. Houve então uma parábola um tanto acentuada na oferta de mão de obra qualificada. No ínicio sendo escassa, em outro intervalo de tempo sendo razoável e hoje em dia quase chegando a ecassez novamente.

Observando tal fato, o mercado se mobilizou para qualificar pessoas para atuar na indústria, sem contar as tradicionais escolas técnicas que já fazem esse serviço desde o ínicio. Junto com a queda da oferta de mão de obra veio consigo a qualidade. E eu falo isso com conhecimento de causa, já estive em algumas instituições onde o docente mal sabia o que estava fazendo, imagine só o que estava ensinando então. Mas sobre essa defiência eu falarei em outra oportunidade.

 É evidente que com a evolução tecnológica as indústrias se modernizaram e surgiram novas necessidades, assim exigindo diferentes tipos de profissionais.

Ultimamente tenho recebido muitos e-mails pedindo orientação no tocante: Qual caminho seguir?
Essa foi uma pergunta que eu não precisei me fazer, pois praticamente nasci no chão de fábrica e a medida que o tempo foi passando, mais gosto pelo setor industrial eu fui tomando. Hoje estou mais focado na eletroeletrônica e controle de processos, mas já passei por vários setores, desde estoque até planejamento de produção, passando principalmente pelo setor mecânico. Porém não estou aqui para falar sobre mim :P. Uma dica que sempre dou é: faça o que você se sente mais confortável e, principalmente, goste. Outro fator bem decisivo é análise de mercado, pesquise os mais diferentes tipos de setores. Uma coisa que eu posso dizer com toda certeza é que no mercado existem grandes empresas que atuam com setores específicos, e a cada dia que passo mais eu descubro isso. Sintetizando: Procure o que goste, estude bastante, pesquise as empresas e trabalhe com empenho.

Logo mais algum artigo novo. 
Obrigado aos visitantes =)

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Autópsia do DPS


O que significa DPS?  A sigla DPS tem o seguinte significado: Dispositivo de Proteção Contra Surtos. Tem a finalidade de proteger os circuitos contra sobrecargas de tensão, atuando em conjunto com o disjuntor do circuito. A seguir temos o esquema de ligação:
Através deste layout podemos verificar a facilidade de instalação do mesmo e também entender o princípio do funcionamento, como pode ser observado o DPS não funciona isoladamente, ele necessita de um disjuntor ligado paralelamente, sendo assim o funcionamento fica desta forma: Quando a tensão de entrada sofre uma elevação brusca e de alta intensidade o DPS  atua formando um curto circuito no sistema, em conseqüência levando o desarme do disjuntor no qual corta a alimentação do circuito e assim protegendo o circuito da alta tensão.
Mas o que foi dito acima muita gente já conhece.  A parte tocante deste artigo é o que o DPS tem e que muita gente desconhece, principalmente os eletricistas que não tem conhecimento de eletrônica. Referindo-se ao título do artigo, é visto que trata-se do componentes internos do dispositivo em questão. 
Para quem já conhece eletrônica, pergunto, qual componente tem o funcionamento similar do DPS? Se respondeu o varistor, parabéns você acertou. Mas para quem não é muito fã de eletrônica, explico, o varistor é um componente à base de óxido metálico no qual a resistência em tensão nominal tende ao infinito e numa tensão elevada sua resistência diminui drasticamente o que leva o curto circuito e por conseguinte a queda do disjuntor ou a queima do fusível.
Você já pegou um DPS e verificou o quão leve é? Se você ta pensando que dentro do DPS existe um varistor, você está pensando certo. Alguns DPS têm uma proteção térmica, mas essa proteção térmica já é compensada no disjuntor termomagnético.
Então será que vale à pena investir num DPS sendo que o varistor é que faz o trabalho, levando em consideração que o DPS custa em média R$45,00 e um varistor está na faixa de R$1,00?
Como nem todo mundo conhece o varistor, aproveitarei para mostrar como se faz a leitura do mesmo.
Na figura temos um exemplo da epcos. Notem que a designação “S20” pode vir sozinha, com um traço abaixo ou com um traço acima. Isso significa, respectivamente, versão Standard, série avançada ou superior “R”. A letra K antes do número (que representa a tensão nominal do componente, no exemplo 275V) é a tolerância. Nesse caso temos: K=10%; L=15%; M=20%. Os números (0009) abaixo do traço significa a data de fabricação.

Obrigado à todos os leitores que estão sempre acessando. Em breve um artigo sobre Vista Ortogonal, aguardem!

terça-feira, 26 de abril de 2011

O REI usa EPI

Dando continuidade ao post anterior (Eletrodinâmica Elementar), pretendo passar algumas informações complementares para o desenvolvimento do raciocínio lógico e dedução das fórmulas empregadas.


Um dos maiores inconvenientes para o principiante são as fórmulas, até mesmo as mais simples. Mas temos vários macetes para se memorizar e deduzir diversas fórmulas.


Lei de Ohm, se acostume a ouvir o nome dessa lei. Essa é a lei básica e de conhecimento OBRIGATÓRIO para qualquer profissional ou estudante no que diz respeito a eletroeletrônica. Sua definição fala o seguinte: "A corrente, em um circuito, é diretamente proporcional a tensão aplicada e inversamente proporcional a resistência do circuito.", em outras palavras isso significa que quanto maior a tensão aplicada maior será a corrente e quanto maior a resistência do circuito menor será a corrente. Dessa forma se convenciona uma fórmula de uso quase que geral, sendo expressa assim: I=E/R → Como é visto na matemática, quanto maior o valor do numerador maior será o resultado e quanto maior o valor do denominador menor será o resultado. Com isso deduzimos, algebricamente, outras fórmulas tais como: E=R.I e R=E/I, com isso criamos o famoso triângulo da lei de Ohm:








A partir da lei de Ohm criou-se outra convenção que representa a potência elétrica, que diz que o valor da potência é o produto da tensão pela corrente, de modo similar podemos utilizar um triângulo para representar a expressão: P=E.I


continua!

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Eletrodinâmica elementar

eletrodinâmica
e.le.tro.di.nâ.mi.ca
sf
(eletro2+dinâmica) Ramo da Física que trata dos efeitos das interações de correntes elétricas entre si ou de uma corrente elétrica com um ímã. Antôn: eletrostática. Var: electrodinâmica.
 

elementar
e.le.men.tar
adj m+f (elemento+ar2) 1 Que é da natureza do elemento ou que serve de elemento: Molécula elementar. 2 Relativo ou pertencente às primeiras noções de uma arte ou de uma ciência; rudimentar, simples: Gramática elementar. 3 Principal, fundamental. Var: elemental.
Fonte: Michaelis UOL

Não, esse artigo não é sobre o que significa as palavras. Coloquei o significado pois é fundamental o conhecimento das mesmas.


Aqui vou tentar abordar de uma forma simples e didática o princípio da eletrôndinamica bem como suas principais leis, na qual um profissional da área deve ter isso na ponta da língua.

Existe uma estratégia muito usada que é a assimilação de sistemas hidráulicos com circuitos elétricos, isso torna o abstrato visível, elétrons são invisiveis mas fluídos hidráulicos são visiveis o que torna o entedimento bem mais prático.


Vamos fazer uma convenção: os condutores elétricos serão os tubos(canos) hidráulicos por onde passam os fluídos, a resistência elétrica será representada pelo diâmetro desses tubos, a fonte de alimentação (bateria, pilha, tomada, etc) será assimilada com a caixa d'água ou reservatório, a pressão do fluído representará a corrente elétrica.


Alguns conceitos:

  • Tensão Elétrica (E) - Nos condutores elétricos, existem partículas minúsculas chamadas elétrons, que estão se movimentando de forma desordenada. Para que estes elétrons passem a se movimentar ordenadamente é preciso que se aplique uma força, possibilitando que se estabeleça um fluxo ordenado de elétrons. Desta forma podemos considerar que, quando nas extremidades de um condutor existir uma diferença de concentração de elétrons, ou seja, de carga elétrica, existirá um potencial elétrico ou uma tensão elétrica entre esses dois pontos. Definimos tensão elétrica da seguinte maneira: É a força que impulsiona os elétrons livres nos condutores. Em algumas literaturas encontramos Tensão Elétrica designada como D.D.P. (Diferença De Potencial).
  • Corrente Elétrica (I) - Os elétrons livres dos átomos de uma substância normalmente se deslocariam em todas as direções. Quando, em um material condutor, o deslocamento de elétrons livres for mais intenso em um determinado sentido, diz-se que existe uma corrente elétrica ou um fluxo elétrico no material. A intensidade da corrente é caracterizada pelo número de elétrons que atravessa uma determinada seção do condutor na unidade de tempo. Dessa forma definimos, então, corrente elétrica como sendo o movimento ordenado dos elétrons livres nos condutores, quando existe uma diferença de potencial (tensão) entre suas extremidades, ou seja, só haverá corrente se houver tensão
  • Resistência Elétrica (R) - É a dificuldade encontrada pela corrente elétrica ao atravessar um material.
  • Potência Elétrica (P) - É definida como sendo o trabalho efetuado na unidade de tempo. Assim como a potência hidráulica é dada pelo produto do desnível energético pela vazão, a potência elétrica, para um circuito com resistência, é obtida pelo produto da tensão E pela corrente I.
Partindo para a parte prática, analisemos o circuito à seguir:
Em analogia à convenção que fizemos acima, o condutor que liga as extremidades da fonte de alimentação na carga serão os tubos, a fonte é a caixa d'água e a carga é uma parte da tubulação com um diamêtro menor. Assim fica fácil imaginar o que acontece com o circuito elétrico. A água vem da caixa com uma certa facilidade, porém no meio do caminho encontra uma tubulação com um diâmetro menor e isso vai dificultar a passagem da água resultando numa pressão maior do mesmo modo que a corrente elétrica encontra uma dificuldade no seu caminho a sua tendência é aumentar para poder atingir o outro lado do material e continuar seu caminho.

Vou ficando por aqui, esta postagem foi só uma breve introdução.
CONTINUA EM OUTRA POSTAGEM
Dúvidas coloquem nos comentários ou no twitter.
Em breve a autópsia do DPS.